Um toque de celular como pretexto para dizer da beleza (com agradecimentos aos lusitanos)

Geralmente, os toques de celulares são uma coisa terrível – os que vêm com os telefones e os que as pessoas colocam (sejam eles músicas ou alguma gracinha qualquer). Daí, é um telefone tocar e eu, de imediato, ficar um pouco descontente.

Uma de minhas irmãs (minhas irmãs, Sandra e Solange, têm bom gosto musical) escolheu para o telefone um toque tão bonito que, sempre que alguém lhe telefona, eu fico contente (a não ser quando ela está distante do telefone e eu preciso pegar o aparelho e levar para ela).
O que ouço quando alguém telefona para minha irmã Solange é um trecho de uma música do grupo Madredeus (com letra e melodia de Pedro Ayres Magalhães):

Aqui, a letra:

HAJA O QUE HOUVER
Madredeus

(letra e música Pedro Ayres Magalhães)

Haja o que houver
Eu estou aqui
Haja o que houver
espero por ti

Volta no vento ô meu amor
Volta depressa por favor
Há quanto tempo, já esqueci
Porque fiquei, longe de ti
Cada momento é pior
Volta no vento por favor…

Eu sei quem és
pra mim
Haja, o que houver
espero por ti…

Há quanto tempo, já esqueci
Porque fiquei, longe de ti
Cada momento é pior
Volta no vento por favor

Eu sei quem és
pra mim
Haja, o que houver
espero por ti…

E por estar agora tomado de algum espírito lusitano, lembro-me de um belo poema que também trata de distância – desta vez, irremediável. Poema da enorme poeta Sofia de Melo Breyner Andresen (Porto, 6 de Novembro de 1919 — Lisboa, 2 de Julho de 2004), cujo nome já é uma melodia:

MEDITAÇÃO DO DUQUE DE GANDIA SOBRE A MORTE DE ISABEL DE PORTUGAL

Sofia de Melo Breyner Andresen

Nunca mais
A tua face será pura limpa e viva
Nem o teu andar como onda fugitiva
Se poderá nos passos do tempo tecer.
E nunca mais darei ao tempo a minha vida.

Nunca mais servirei senhor que possa morrer.
A luz da tarde mostra-me os destroços
Do teu ser. Em breve a podridão
Beberá os teus olhos e os teus ossos
Tomando a tua mão na sua mão.

Nunca mais amarei quem não possa viver
Sempre,
Porque eu amei como se fossem eternos
A glória, a luz e o brilho do teu ser,
Amei-te em verdade e transparência
E nem sequer me resta a tua ausência,
És um rosto de nojo e negação
E eu fecho os olhos para não te ver.

Nunca mais servirei senhor que possa morrer.

(in “Mar Novo”, 1958)

No vídeo acima, o poema é dito pela atriz portuguesa Rita Loureiro.

É linda a dicção lusitana em seus grandes poetas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: