O Tempo

Tempos: No Tempo

Bastante encimada,
bem alta, a trouxa,
o peso sem massa.

Sob ela, o rosto,
centro da cabeça:
um olho, outro olho.

Como pé-de-mesa,
seu pescoço liso;
os ombros por cerca.

Braços estendidos,
as mãos espalmadas,
dois traços, dois riscos.

O tronco, não largo,
vem antes das pernas,
abertas qual arco.

E os pés, os seus pés,
se esforçam em reter
o raro equilíbrio,
pisando o seu piso,
duro e movediço.
Às costas, o abismo.
De um lado há um nada;
do outro, outro nada —
e à frente o vazio.
E a trouxa se alarga
e a trouxa só pesa
e a trouxa o encarca.
E os olhos, cansados,
se vêem, nada vêem.
E a trouxa se assoma
e a trouxa se arde.
E os pés pisam ovos,
e as cascas se abrem.
E os cheiros se sobem,
ou doces ou acres.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: